Reconstruindo Caminhos

Reconstruindo Caminhos
Escrevo porque chove saudades no terreno das minhas lembranças e na escrita eu deságuo as minhas urgências, curo velhas feridas e engano o relógio das horas trazendo o passado para brincar de aqui e agora... Costumo dizer que no calçadão da minha memória há sempre uma saudade de prontidão à espreita de que a linguagem da emoção faça barulho dentro de mim e que, nessa hora, o sal das minhas lágrimas aumente o brilho do meu olhar e uma inquietação ponha em desalinho o baú de onde emergem as minhas lembranças, para que eu possa, finalmente, render-me à folha de papel em branco...

sábado, 30 de agosto de 2008

Amor Solitário




O anonimato, que deu guarida a minha história de amor e me protegeu por anos, encontrou uma janela entreaberta e expôs os meus segredos.
O meu coração ousou pedir clemência, mas o seu murmúrio não se fez ouvir. Fiquei desnuda! E me avultou a dor, ainda mais, pela revelação, do que amar sozinha durante todos esses anos.


As palavras, coitadas, já não sabem como me aconselharem. Enchem-me os ouvidos de letras soletradas em silêncio: a-r-r-e-g-o! E eu dissimulo, finjo que não é comigo. Em surdina consulto o Aurélio e lá, ele diz: “arrego: ato de render-se, entregar-se”. E, novamente, eu disfarço, mas dessa vez eu digo baixinho: nunca! E sigo amando as letras, a capacidade de brincar com as palavras e continuar... Sozinha.

Nenhum comentário: