Reconstruindo Caminhos

Reconstruindo Caminhos
Escrevo porque chove saudades no terreno das minhas lembranças e na escrita eu deságuo as minhas urgências, curo velhas feridas e engano o relógio das horas trazendo o passado para brincar de aqui e agora... Costumo dizer que no calçadão da minha memória há sempre uma saudade de prontidão à espreita de que a linguagem da emoção faça barulho dentro de mim e que, nessa hora, o sal das minhas lágrimas aumente o brilho do meu olhar e uma inquietação ponha em desalinho o baú de onde emergem as minhas lembranças, para que eu possa, finalmente, render-me à folha de papel em branco...

segunda-feira, 15 de junho de 2009

Que lugar te faz sentir em casa?








Quando me vem essa pergunta à mente, lembro das pessoas que dizem que o seu lugar no mundo é a porta do aeroporto e que não se sentem parte integrante de local nenhum. Nessa hora, penso em mim e nas tantas mudanças que fiz e me pergunto o porquê de tal afirmação.

Tem gente que percorre quilômetros e quilômetros por estrada afora, mas se recusa a fazer a maior de todas as viagens, a única capaz de libertá-la desse sentimento de inadequação: uma viagem ao interior de si mesma. E enquanto isso não acontece, vive sempre de mochila nas costas sem saber, ao certo, qual o seu endereço no mundo. Viaja e leva junto às coisas materiais a sua mudança interna de afetos e sentimentos mal resolvidos, numa eterna andança pra direção nenhuma. Por isso, quando lhe perguntam onde se sente em casa, não sabe o que responder. Mais um entre os nômades da solidão!

Pensando nisso, lembro das várias viagens que fiz e respondo sem pestanejar: o lugar que me faz sentir em casa é dentro de mim e isso independe do local e da situação. A minha casa interior levou muito tempo para ser construída, mas as suas paredes são sólidas o suficiente para abrigar todo e qualquer tipo de mudança. Aonde quer que eu vá levarei a história que construí em minhas andanças pelo mundo e um pouco de cada canto, por onde passei. É dentro de mim que estão fincadas as raízes dos meus afetos e o abrigo que eu chamo de lar.

Em virtude disso, posso afirmar que estou sempre em um lugar confortável e seguro, pois não viajo para me encontrar... Estou sempre dentro de mim e é aqui que me sinto em casa.

Imagem autorizada por:http://www.floresdopantano.blogspot.com/


14 comentários:

Daniel und die Delphine disse...

A casa da gente é o melhor lugar.

Nely disse...

Olá amiga.
Um lindo texto muito introspectivo.
É bom o encontro connosco e depois com os outros, e o nosso EU é sempre um bela morada.
Beijo.

Adriana disse...

Olá Juliêta

Muito bom! estar bem consigo mesma é encontrar seu verdadeiro caminho, sua morada.
ótima interpretação.

bjs

Serena Flor disse...

Realmente o nosso interior é a nossa melhor morada...parabéns pelo belo texto minha querida!
Beijos e adorei a participação na Tertúlia.

Raquel disse...

Grande verdade!!!
Adorei o seu post!!! Parabéns!!

Xêro
Raquel

expressodalinha disse...

A vida é uma viagem interior. Há que conduzir com cuidado e andar com segurança. Só temos uma viagem.

Luis Bento disse...

Sentir em casa também é uma viagem pelo corpo.

entremares disse...

Oh, Julieta...

Essa casa... assim descrita, é o paraíso, não é só uma casa. Também sei bem o que é fazer mudanças, viver muitas casas, e acho que posso acrescentar, se me permitir:

Não é verdade que, de cada vez que mudamos de casa, lá deixamos um pedacinho de nós mesmos ?

Eu sinto isso.
Beijos.

Chica disse...

Lindo e profundo o teu pensamento.Nosso EU sempre nos faz bem...beijos,chica

Blog do Beagle disse...

Amei esse mergulho para dentro de si mesma. Adorei a sinceridade. Eu também fico bem comigo mesmano escro e no silêncio. Bjkª. Elza

João Menéres disse...

Entendo o que queres transmitir.
Provavelmente, nunca parei para pensar e reflectir.
Mas, seestamos bem connosco, setimo-nos tranquilos e, portanto, em casa.

Um beijo.

Eduardo Santos disse...

Olá amiga. Uma viagem ao interior, excelente lugar para estar em casa. Não me parece que a maior parte das pessoas pense nisso, mas na verdade isso é extremamente importante. Boa perspectiva. Tudo de bom para si.

Gisele Amaral disse...

Reflexão muito inteligente... estar em si e dona de si é realmente estar em casa!

Um cheiro.
=*

Compondo o olhar ... disse...

desculpe o atraso, mas estava impossibilitada por causua de uma cirurgia. mas agora estou bem e retornei!!!
parabéns, adorei sua participação em mais esta intrigante tertulia!!!

bjocas