Reconstruindo Caminhos

Reconstruindo Caminhos
Escrevo porque chove saudades no terreno das minhas lembranças e na escrita eu deságuo as minhas urgências, curo velhas feridas e engano o relógio das horas trazendo o passado para brincar de aqui e agora... Costumo dizer que no calçadão da minha memória há sempre uma saudade de prontidão à espreita de que a linguagem da emoção faça barulho dentro de mim e que, nessa hora, o sal das minhas lágrimas aumente o brilho do meu olhar e uma inquietação ponha em desalinho o baú de onde emergem as minhas lembranças, para que eu possa, finalmente, render-me à folha de papel em branco...

sexta-feira, 30 de abril de 2010

O Avesso da Mentira








Se é para viver, que eu esteja sempre inteira e se é para escrever, que a verdade seja a minha conduta.
Eu, pecadora, confesso: revisitar o passado, dói!

Pois ainda é tão presente a dor da minha saudade que durmo e acordo desejando a monotonia dos dias iguais, onde tudo é igualmente familiar, mas não causa tanto sofrimento.

É que, no momento, estou em fase de despedidas e cicatrizações e escrever me expõe em carne viva! Por isso, garimpo palavras que escondem o que sinto e brinco de enganar a dor. Troco de pele. Minto! Porque a mentira é a minha fortaleza e o avesso dela é a realidade desse amor que eu nego tanto.

9 comentários:

Lbel disse...

Julieta amiga,
Se a mentira ameniza a dor, nos tira sofrimento e nos leva a caminhar em frente, então que seja, tapemos o sol com a peneira, as sombras acabam por nos confortar e aliviar do cansaço pelo caminho percorrido.
Trago um sorriso na cara, ofereço-te um abraço e deixo-te um grande beijinho.

Acabei de visitar o cantinho dos girassois, está lindo e iluminado, mesmo que seja ilusão, o brilho que aqui deixo é pura realdade.

Beijokas

Chica disse...

Lindas e fortes tuas palavras Julieta, retratando um momento de vida.beijos, tudo de bom,chica

Manu disse...

Oi Julieta
Um dia abrirá a janela da sua alma e deitará a mentira enganadora que manteve encarcerada, tentando minimizar o sofrimento da despedida e irá deixar que entre aquele raiozinho de Sol que inundará de fé e verdade uma vida que é feita de "momentos", porque esses são apenas e só, a realidade que se possui.

Beijo enorme
Manu

lis disse...

Oi Julieta linda
Existe momentos vividos que parecem que vão se arrastar eternamente, já os vivi . Depois penso como foi que terminou , nao vi, foi lentamente e esvaziou-se.
E a dor da saudade vai fundlo, doi , di muito.
E passa.
Quero muito aprender a trocar de pele , viver mais , tomar a minha vida de novo nas minhas maos .
Espero suas palavras e venho buscá-las. Por favor escreva rsrsrs
bom domingo, Abraços

lis disse...

... tenho procurado aqi o seu perfil pra saber onde m oras, nao encontrei, as vezes sou meio lerda. rsrs
ajude-me!
bjs

Sueli disse...

Conheço tão bem a dor da saudade, minha amiga! Tenho tentado contorná-la, mas nem mentindo, viu? Mas, por outro lado, sentí-la significa que vivemos coisa muito boa! Ninguém tm saudade de cosia ruim ... né,não? Beijão!

Solange Maia disse...

Julieta,

não pude deixar de pensar no grande mestre : o poeta é um fingidor, finge tão completamente, que chega a fingir que é dor, a dor que deveras sente...

suas palavras me emocionam absurdamente...

imprimo alguns de seus textos e levo-os comigo... fazem um bem danado à minha alma... são como música boa, como pão quentinho, como abraço de amigo...

parabéns, mais uma vez !

é incrível...

beijocas

Solange Maia disse...

que amanhã esteja cercada dos seus amores Julieta...

você é mãe...

mãe deles e dessas palavras lindas que divide com a gente !

beijos

Aline disse...

Julieta,

É sempre um prazer imenso visitar o seu blog, cada vez que acesso ..um texto mais lindo, profundo e muito, muito sensível. Tive um imenso prazer e fiquei muito honrada em poder conhecê-la,você não imagina o impacto que esse encontro causou em minha vida.

Que Deus continue a abençoar a sua vida grandemente !!

Beijos.

Aline Magalhães