Reconstruindo Caminhos

Reconstruindo Caminhos
Escrevo porque chove saudades no terreno das minhas lembranças e na escrita eu deságuo as minhas urgências, curo velhas feridas e engano o relógio das horas trazendo o passado para brincar de aqui e agora... Costumo dizer que no calçadão da minha memória há sempre uma saudade de prontidão à espreita de que a linguagem da emoção faça barulho dentro de mim e que, nessa hora, o sal das minhas lágrimas aumente o brilho do meu olhar e uma inquietação ponha em desalinho o baú de onde emergem as minhas lembranças, para que eu possa, finalmente, render-me à folha de papel em branco...

quinta-feira, 29 de dezembro de 2011

Carta para Rolando




Rolando,

A escritora Hilda Lucas nos diz, em uma de suas entrevistas, por ocasião do lançamento do livro, “Memórias Líquidas”, que: “a única maneira de alguém que perdeu um ente querido superar a dor é abraçar a vida com unhas e dentes, enfrentar a morte, olhá-la nos olhos, perder o medo de viver/morrer e ousar ser feliz de novo; senão, você reduz a morte daquela pessoa ao único acontecimento importante da vida dela. E quem viveu o suficiente para deixar dor, saudade e boas lembranças fez muito mais em vida do que apenas morrer”.

E, é por isso que, hoje, estamos reunidos aqui na Tertúlia Virtual. Vamos deixar de lado essa dor que não tem nome e sentarmo-nos à beira da fogueira, para juntos nos debruçar sobre as lembranças e, com elas, marcar a tua presença em nossas vidas, com alegria e saudade.

A morte é somente uma passagem para quem sabe semear afetos e construir ternuras, pois, daqui a algum tempo, poderemos até esquecer o teu rosto, mas ao tentar esculpi-lo, teremos no celeiro das recordações, a fonte perene que nos impede de esquecê-lo.

A fogueira que acendeste lá no “Entremares” é a mesma do Léo Buscaglia, do livro Vivendo, Amando e Aprendendo. Ali, ele nos diz que se não te importas com alguém, não perguntes como ele vai, mas se tens interesse, realmente, em saber como está essa pessoa, então senta-te e acende uma fogueira, pois na simbologia do teu gesto está a dimensão do teu amor e do teu cuidado para com o outro. E, foi isso que fizeste durante todo esse tempo, acendeste uma para nos aquecer, oferecendo-nos o melhor de ti...

Pois bem, meu amigo, embora sejamos, agora, tão menos sem ti, nos comprometemos a alimentá-la, para que nunca falte o calor da amizade, do carinho e da solidariedade, essa tríade tão necessária para que prossigamos com a nossa jornada nesse planeta Terra. Por ora, ainda dói muito a tua ausência, mas estamos pedindo ao tempo que passe célere, a fim de que essa dor se transforme numa saudade que, com toda certeza, vamos sempre gostar de ter.

Parte em paz! Pois daqui estaremos a brindar, sempre, e ao redor da fogueira, para lembrar de ti com alegria e saudades.
TIM, TIM.

PS: Esse texto foi publicado em Agosto de 2011 no blog Cartas de Julieta, por ocasião do falecimento de Rolando.

quarta-feira, 28 de dezembro de 2011

A Resposta




Na quietude da varanda e, ainda, desembrulhando lembranças, ela esperava. Sabia que não devia, mas esperava... Longos dias se passaram. O relógio seguia arrastando os ponteiros, indiferente.

Havia prometido a si mesma não mais falar do passado, por isso não se atrevia a escrever sobre o sofrimento que lhe corroia a alma. A partir daquele momento em que escrevera a penúltima carta de amor, resolveu que traçaria a sua tristeza no silêncio e, em silêncio. Mas, esperava... O dicionário dos afetos que descobriram juntos, decerto, haveria de servir, também, para refrescar-lhe a mente, obrigando-o a remexer nas gavetas da sua memória.

Pensando nisso, não viu o tempo correndo lá fora. Ele contava ali dentro, no terreno da esperança e, sempre, devagar, quase parando, em conta-gotas que era para não destruir tão cedo as suas ilusões.

Trinta e sete anos se passaram, desde então e, só agora ela tomou coragem para perguntar-lhe: por quê?

- Por que ressuscitou da sua laje fria e remexeu no cadáver insepulto de um amor esquecido no tempo? Que prazer haveria de obter, ainda, para sua vaidade, saber-se amado apesar de...

É, meu amigo, você não respondeu e jamais responderá nem a penúltima, tampouco a última carta de amor. Faz parte do seu show! É o pedaço desse latifúndio a que você dá o nome de vida... Improdutiva, com certeza! Pois de afetos não cultivados pelo respeito e pela gratidão de se saber amado apesar de...

Um silêncio que fala foi a sua resposta. A última pá de cal sobre um amor que venceu o tempo, mas foi vencido pela insensibilidade de quem, da vida, só deseja o farfalhar dos ventos nas saias rodadas dos amores vãos.

Em todo caso, eu peço emprestada, novamente, as palavras de Carpinejar e termino dizendo: Não irei me vingar com as cinzas, arrancar as folhas que não combinam comigo, ou que me provocaram decepções. Não serei visto queimando fotografias, cartas e paixões numa lata de lixo, apenas porque não me servem mais. O que namorei vai me enamorar a vida inteira. Estará lá numa página definida, permanente, com a letra segurando as linhas”.

Todos os meus erros são esperançosos pela releitura”.

terça-feira, 7 de junho de 2011

A Última Carta de Amor



O meu amor é feito de silêncios, engolindo as palavras e longe dos olhos que lendo não veem...
Ainda há tanto de ti dentro de mim que, embora eu corte as palavras, encerre os parágrafos e não deixe transparecer o fingir, continuo com esse sentimento doído e em carne viva. Foi dessa forma que comecei a te escrever, porém, num átimo de segundo, recuperei a lucidez e iniciei a minha última carta de amor, assim:

- Houve uma época em que eu não cabia dentro de mim. A tua ausência ocupava todo o meu espaço... Foram dias difíceis, de olhares líquidos e avarandados à espera de uma resposta... Pelos meus olhos derramavam-se as lembranças de nós dois. Saudade deixou de ser um sentimento abstrato e transformou-se em carne viva; tudo doía, o corpo e a alma. Em meu cérebro martelavam perguntas para as quais não tinha respostas: onde foi que eu errei? O que fiz ou deixei de fazer, no passado, de mais ou de menos? Como reconstruir esse caminho – depois de tanto tempo - e reescrever essa história, para ela dá certo, se os sentimentos e os personagens são os mesmos? Foram anos de silêncio, engolindo as palavras e a minha fome da tua presença...

Nesse entremeio, pessoas certas, na hora errada, cruzaram o meu caminho e desejaram esse amor de tanta entrega... Tão honesto e tão teu! Mas o meu coração de menina ainda habitava a casa da esperança. É verdade que o amor doía, pela tua ausência, porém, as boas lembranças e a possibilidade de conviver contigo – novamente - transformavam aquela dor num tempo de confiança onde a lucidez era esquecida.

Passaram-se tantos anos de olhares líquidos e avarandados a tua espera e de uma resposta, para aquela penúltima carta de amor que, hoje, pergunto-me: por que não percebi que a questão não era o que eu fiz ou deixei de fazer e, sim, a tua total incapacidade de dar e receber amor e, também, de traduzi-lo.
Ainda recordo-me da tua indagação, quando lendo um texto meu, perguntaste: quem é o destinatário? E, eu, estupefata, respondi:

- “No meu olhar estava escrito, só tu não leste.
Em minhas mãos paradas, inertes, estavam acorrentados o desejo e a vontade de ser tua. Só tu não viste.
No meu coração palpitante, pulsava um velho e um jovem amor... Só tu não notaste.
E agora buscas nas minhas palavras o destinatário desse amor. Que tolo amor esse meu, que até hoje, tu não entendeste!”

É, meu amigo, continuas a não entender, mas agora eu rompo o silêncio e digo-te, realmente: o nosso tempo passou... A casa da esperança não faz mais sentido, pois, quem ama, cuida! Não abre espaços, nem deixa a porta entreaberta...
Adeus!

sábado, 28 de maio de 2011

Pelas Janelas da Alma



Os olhos da minha memória estão sempre voltados para o passado. Confesso! Mas, eu caminho em direção ao futuro. A questão é que eles procuram por terra firme e a única opção que lhes acenam é o terreno escorregadio da efemeridade.
O transitório causa-me assombro, pois, atualmente, já não é possível perceber a diferença entre o certo e o errado, entre o bem e o mal nessa avalanche de mudanças e incertezas que nos deixam atônitos a todo o momento.
Hoje, ao pescar o tempo no baú das minhas lembranças, lembro-me de uma frase importante: “sofrer sem aprender com isso é uma estupidez total”. Então, viajo pelas janelas do meu olhar tentando captar o sentido da época em que vivemos.
A eternidade parece ameaçar-nos! Sofremos sem aprender com isso porque duvidamos dela e, nessa hora, tudo passa a ser descartável, desfrutável, sem importância; passageiro. E, além disso, ainda subjugamos as nossas vidas ao mundo material; só tem valor aquilo que podemos pagar em moeda corrente: casas, carros, hotéis de luxo, viagens, roupas de grife e as festas que oferecemos para preencher o vazio existencial.
Penso, agora, que colocamos um mundo novo dentro de nós, mas nada aprendemos sobre amor, generosidade, gratidão, tolerância, compaixão e sabedoria... Vida! Por isso, enquanto as janelas do meu olhar observam os meus passos ainda lentos no caminho da modernidade, procuro estar atenta para abraçar o novo, mas sem perder de vista a lucidez que me mantém afastada da visão materialista e da linguagem dos sentimentos sem profundidade que imperam nos dias atuais.


domingo, 24 de abril de 2011

Tempo de Despedidas




É tempo de deixar ir! De esquecer cores, cheiros, sons, passos e lembranças. Tempo de despedidas, de encerrar ciclos e de fechar portas. Literalmente! Ouço o som dos meus gemidos, mas aumento o volume da canção dos meus sonhos. Então, decidida, bato a porta e vou. Levo um coração sem amarras que é para abrigar as delicadezas da nova vida que vão chegar...

Despeço-me do passado!?

- Não sei! Uma palavra em suspenso, “ontem”, ainda mexe comigo: é o meu foco de resistência. Isso que me faz tecer palavras para não apagar memórias.

Quero resgatar uma época feliz para depois, deixar ir!... Fazer-se poeira de estrada, de estrelas e de sonhos.

Esse é o meu desafio! E por isso escrevo.

- Estou de mudança. A antiga casa com suas cores, cheiros, sons, passos e lembranças, vai ficando para trás. Então, eu me pergunto:
- Será que vai mesmo? Ou ela caminhará para sempre por minhas lembranças feito um viajante sem pouso?
- E, se isso acontecer? Estarei sendo paradoxal, com o meu saudosismo sempre em pauta, em contraposição com o desejo ir, de mudar?
- Como conciliar o passado e o presente se o tempo, esse “compositor de destinos”, trabalhou nas minhas lembranças com delicadeza, deixando-me um inventário de bens intangíveis?

O fato é que, agora, ao olhar cada cômodo da casa, eu revisito as saudades. E penso: o que é que eu tenho do futuro?

- Nada! Apenas um presente que vai virar passado, quando outras paisagens, histórias e personagens tecerem os fios dessa nova tessitura. Porém, a vida nunca mais será a mesma... Não, a vida das minhas emoções, aquele quartinho cheio de lembranças, ainda quente, do perfume dos dias felizes.

Olho em volta, tudo é saudades! O riso das crianças, a mesa posta, com mãos de ternura, a música, tantas coisas e, ainda, a marca da tua ausência que nunca passa...

Fomos construtores de um sonho que deu certo... A nossa casa, hoje, tem história. Uma história que a modernidade está querendo demolir, mas, que ao apagar das luzes e bater da última porta, não será esquecida, pois eu embalo coisas, fecho malas e tranco portas, mas, como um viajante sem pouso, levo as minhas raízes.

domingo, 17 de abril de 2011

Quero ser Clone de Mim






Passando os olhos por uma revista, na banca de jornal, cuja capa trazia a imagem da bela atriz Elizabeth Taylor, deparei-me com esse comentário: “ela foi a mulher que toda mulher queria ser, a mulher que todo homem queria ter”.


De imediato, pensei: não, eu não quero ser a Liz Taylor! Nem ela nem ninguém! Nunca quis. Sempre estive ocupada em ser apenas eu.


Não desejo me transformar em clone de ninguém, pois, venho ao longo do tempo, me construindo para ser quem sou, e, confesso: gosto muito do resultado. Não quero, agora, abrir mão dessa conquista para ser outra pessoa.


Felicidade, para mim, não tem receita, mas ela está refletida em meu rosto, quando olho para o espelho e vejo o tanto que aprendi no exercício de ser quem sou.


Nas minhas noites de vigília, lembrei-me de quem tinha fome, sede e frio, e ofereci alimento, aplaquei a sede e dei abrigo. Os meus braços, hoje, flácidos, já serviram de agasalho e proteção contra as dores do mundo, e o meu colo, de refúgio, para esconder o pranto.


Cada ruga, em meu rosto, conta uma história de amor, que fala de perdão, tolerância, compreensão e solidariedade. Não vou, agora, fazer cirurgia - nem aplicar botox - para apagar o melhor em mim e ser quem não sou.


Por isso, a essa altura da vida, continuo querendo ter a minha cara: ser clone de mim! E, se algum homem não me escolher por eu não ter a beleza da Elizabeth Taylor ou de outra pessoa, terei muita pena, pois ele não sabe o que está perdendo...

sábado, 9 de abril de 2011

Casamento Homoafetivo




Entre o discurso e a realidade existe uma questão de dignidade e de respeito às diferenças...


Dentre os temas polêmicos, talvez o casamento homoafetivo seja o que mais cause estranheza, tendo em vista que não há legislação pertinente sobre tal matéria nem, tampouco, fundamentos que justifiquem – sob o ponto de vista cristão - a união entre pessoas do mesmo sexo.


Em que pese às razões alegadas de que as normas que regem o casamento só foram previstas em função da união entre um homem e uma mulher, é mister se reconhecer que a homossexualidade existe desde os primórdios da história da humanidade e que negar isso é resvalar pela hipocrisia e ignorância.


Diante de tal fato, se faz necessário a regulamentação em lei, que dê amparo e proteja o direito do cidadão, que opta em assumir o seu desejo, como um manifesto da sua liberdade de escolha. Escolha essa assegurada pela nossa Constituição, quando escreve em suas páginas a consagração dos princípios da liberdade e da igualdade de direitos.


Partindo da idéia do respeito à dignidade humana, podemos invocar por mudanças que tire dos guetos da vida quem exerce o mais elementar dos direitos que é o da liberdade.


Embora exista, por parte das religiões, resistência e certo prurido quando o assunto casamento entre iguais é ventilado, não podemos aceitar - sob pena de sermos levianos - o argumento de que a união entre as pessoas só se justifica por meio da procriação. É contraditória tal afirmação, uma vez que vai de encontro às celebrações que vemos, diariamente, entre casais de meia idade ou de jovens, onde a gravidez não é possível nem desejada.


Por outro lado, o que é o casamento senão a união de duas pessoas empenhadas em construir uma vida de respeito, amor, carinho?


Filhos! Sim, conseqüência desse afeto e desse querer só assim serão bem-vindos, amados e respeitados, mas não como imposição para realização do matrimonio, pois, se fosse dessa maneira, não teríamos clínicas psiquiátricas ou psicológicas para dar vazão a tanta demanda (...).


É indiscutível que esse assunto merece ser debatido a exaustão para que não reste a sociedade nenhum ranço que a impeça de sentir que os ventos da evolução, que nos fazem bem em outras áreas, também sejam bem-vindos no que concerne a união entre iguais.


Negar isso às pessoas que lutam por um ideal de justiça, que prime pelo respeito e pela igualdade para todos, é ignorar que a liberdade é o maior patrimônio de uma sociedade que se diz civilizada. Desconhecer o direito do cidadão de ser, sentir e vivenciar outra realidade que não a manifesta pelos padrões, ditos normais, é tirá-lo do seio da sociedade e transferi-lo para os guetos da vida, marginalizando-o. É retroceder no tempo, ignorar as mudanças e os novos códigos de conduta que exige de nós o respeito pelas diferenças.


Ainda que a relação entre pessoas do mesmo sexo nos cause estranhamento, precisamos buscar nas raízes desse comportamento o preconceito que nos leva ao discurso homofóbico e que tanto contribui para a segregação e a infelicidade dos nossos semelhantes. Pois, repito, entre o discurso e a realidade existe uma questão de dignidade e de respeito às diferenças...

sexta-feira, 1 de abril de 2011

Convite





Há dias que eu acordo assim: garimpando letras para brincar com as palavras. É que dentro de mim há uma saudade doída procurando esconder-se nas entrelinhas. Sinto falta do amor!

Sei dos meus limites, mas sei também desse afeto que transborda das frases não ditas... O que eu sinto não se esgota  na ausência nem no silêncio. Ainda procuro. Insisto!


Sonho com a revolução desse sentimento: amor versus orgulho, vaidade, negação... Solidão!


Às vezes, sinto ímpetos de dizer: para! Para esse planeta que eu quero descer! Esse não é um lugar de gente bem resolvida onde o amor pode quebrar todas as regras e as pessoas sentirem-se felizes!


Por isso, do que sinto - e que está mais perto do riso do que do pranto - me dá vontade de falar, pois tenho sede, muita sede de saber a medida certa das coisas.


Por que amar dói? Qual a medida exata do amor?


(...)


E, por não saber, faço-te um convite:


Tu que habitas esse planeta e, solitário, desejas companhia, vem ao meu encontro.


Também estou deserta, despovoada. Sinto-me só, mas não sozinha!


Não te quero herói, somente homem... Humano! Dispenso adjetivos desnecessários...


Quero-te inteiro, sem manhas nem artimanhas.


Há espaço para nós dois se o teu propósito for igual ao meu: somar!


Vem!

terça-feira, 1 de março de 2011

Autorretrato




Não nasci pronto, nem com manual de instrução. Pelo contrário, amanheço todos os dias quando observo os meus erros, as minhas imperfeições e tento corrigi-los. Mas, uma coisa é certa: convivo muito bem com aquilo que estou me tornando.

Já fui belo e feio; moço e velho; inteligente e sem memória... Esquecido. Tive poder, fama e dinheiro e tudo o que me sobrou foi: a solidão, o vazio e sete palmos de terra.

Vaidades? Tenho poucas, talvez a única da qual me orgulhe seja gostar demais de mim: daquilo que não sou e do que não tenho, pois, do que sou e do que tenho, nada é meu.

Então, quem eu sou e o que tenho?

- Sou o tempo... Senhor da razão! E, tudo o que tenho é o amor incondicional, irrestrito e atemporal.

Sirvam-se!

quarta-feira, 23 de fevereiro de 2011

Do que não gosto






A inquietação e a voracidade não encontram frestas e vãos, dentro de mim, por onde possam escoar o fluxo de suas incertezas.


Não gosto do assombro!

Gosto da zona de conforto que me permite, no silêncio contemplativo das madrugadas, encontrar com o entardecer dos meus dias, sem arrependimentos, nem distrações.

Não gosto de cacos!

Eles lembram partidas. Pedaços de vida se estranhando.

Não gosto de despedidas! Tenho fome do infinito...

Amo sem economizar tempo, nem afeto, nem ternura. No meu amor não há prazo de validade. Ele é um lugar de porto-seguro e de aconchego. Nele, o tempo desacelera o passo e a sua sina de seguir. Reconcilia-se com as horas e abre caminhos e possibilidades para o eterno. Estaciona! E, dessa forma, reinventa uma relação onde os sonhos não são extraviados...

Nasci para eternidades!

domingo, 6 de fevereiro de 2011

Na Pausa da Fotografia




Ah, esses nossos professores de redação! Sempre a nos exigir que economizemos a vida em poucas linhas. Pensando bem, ela parece caber, toda, na pausa daquela fotografia.

Olho para o quadro na parede e vejo que a imagem está ali, mas a vida, não! Essa corre lá fora... Ali está apenas uma cena em pausa melancólica pedindo providências, exigindo outro roteiro, outro rumo, uma nova direção...

Aquela foto desbotada era uma metáfora do que fora a sua vida até aquele momento: uma espera sem fim, por um amor, que ficara na pausa de uma fotografia.

Por um longo período ela deixou que a sua alma vivesse em desalinho. Respeitou lacunas e silêncios... Pensava: não tenho problemas com a solidão! Mas, é certo, que lhe doía aquele amor que não respeitava o tempo e, ainda hoje, batia à porta do seu coração dizendo: queria que ele estivesse aqui!

Vivia antecipando saudades para apaziguar a sua alma blindada, devastada, desabitada. Há anos que não cabia dentro de si. O amor por aquele homem ocupava tempo e espaço que eram seus. “Vivia como estrangeira de si mesma: sem alma, sem DNA, sem código genético.”

Vivia! Pois, a partir daquele momento, ao olhar o quadro na parede, resolveu fazer uma escolha: entre ele e eu, escolho a mim. Quero, hoje, um amor que me procure; que venha bater a minha porta e que tenha a coragem de dizer que precisa de mim. Porque é assim que eu sei amar. INTEIRA!

Então, olhou novamente para a vida estagnada na pausa daquela fotografia e concluiu: agora chega, acabou! E, aquela frase ecoou dentro dela, como um aceite de um tempo que chegara ao fim.





sexta-feira, 28 de janeiro de 2011

Arquitetura do Tempo









A minha memória é uma sala de espera cheia de significados. Nela, os baús emocionais acumulam-se.

São lembranças de uma época em que muita gente habitava dentro e fora de mim: as famílias, suas casas, seus quintais e suas histórias que se confundiam com a minha. Tudo era matéria de troco: afeto, ternura, carinho e um pouco de açúcar para adoçar a vida nos momentos de dificuldades. Havia no ar palavras e ações que se somavam ao gesto de viver: amizade, solidariedade, fraternidade...

Na arquitetura do tempo, eu desembrulho as minhas lembranças alinhavando-as em retalhos de saudades, enquanto os meus pés andarilhos caminham devagar, sem pressa, arranhando silêncios na tentativa de entender mudanças... Retiro das pausas das fotografias a alegria genuína de uma época feliz, mas sinto-me como uma ladra das horas, tentando usurpar uma felicidade com prazo de validade vencida...

Ainda assim, em minha sala de espera, as imagens em sépia se sucedem lembrando o passado. Perco-me nessa paisagem de lembranças, recordando famílias, amigos, amores, sonhos e projetos.

Havia, sim, muita gente dentro e ao redor de mim, lembrando-me que a felicidade é um sopro, um vento manso, às vezes imperceptível e que é preciso saber valorizá-la nos pequenos gestos do cotidiano.
Diziam-me: “Não a deixe fugir, não a procure longe de si. É dentro de você que ela cochila. Desperte-a!”
Deixo a sala, troco de pele, de imagens, de paisagens e venho para o presente...

Questiono o tempo, provoco, mas não encontro o quê comemorar. Apenas, um mundo novo, moderno, cheio de conquistas que estampam páginas de jornais e revistas, mas que não é suficiente para preencher vazios existenciais e dá uma resignificação para essa vida, breve e louca.

A ciência e a tecnologia deram um passo incomensurável em relação ao passado, mas nunca tanta gente se sentiu tão só, sem esperança e infeliz. O moço da carrocinha que antes entregava, em casa, pão e leite fresquinhos, hoje, entrega drogas e outras substâncias, delivery.

Embriagamo-nos de modernidade até nas relações afetivas... O que antes era para sempre, hoje, será eterno enquanto dure... O amor deixou no passado o “nós” para ser conjugado na primeira pessoa. Só o “eu” importa. Pedimos amor, mas não sabemos dá-lo. Vivemos uma solidão a dois, em casamentos de fachada, de conveniência, de interesse, onde nome e sobrenome de família e suas fortunas, contam mais que uma relação de amor, carinho, respeito e tolerância.

Corremos atrás de uma felicidade que há muito cochila dentro de nós e não percebemos, pois estamos ocupados demais em mostrar aos outros, o quanto temos de dinheiro, sucesso e poder.

E, nessa arquitetura do tempo, onde o ter vale mais que o ser, vamos deixando a vida nos levar de roldão, atropelando sentimentos, fumando vazios e bebendo solidão.


sábado, 1 de janeiro de 2011

Afinal, a que se destina a vida?






Essa, é a pergunta mais frequente que fazemos quando as dores da perda e do luto batem a nossa porta. Em geral, todos respondem: - o destino do ser humano é a busca da felicidade. No entanto, por que é tão difícil ser feliz?

Há quem diga que a felicidade está no caminho, na eterna procura... Prefiro pensar que ela é tão simples e corriqueira, e ao mesmo tempo tão sutil, que ao andar ao nosso lado sem fazer rumor, ignoramos a sua presença. E, fazemos isso, porque somos inábeis nesse quesito.


Queremos entre outras coisas: sucesso no trabalho e realização no amor. Dois grandes pilares que sustentam a nossa idéia do que é ser feliz, mas que são insuficientes para garantir esse estado, quando nos colocamos no centro do mundo e ignoramos as necessidades do outro. O outro, esse parceiro que também tem sonhos e merece respeito, atenção e carinho.

Vivemos sempre no entorno, esquadrinhando caminhos que nos levem até essa tal felicidade. Mas, desejamos que ele, o caminho, seja feito de espelhos, onde possamos ver refletida apenas a nossa imagem...

Quando vamos entender que ela é um projeto a dois quando se trata de intimidade e, abrangente, quando inclui o nosso convívio em sociedade?

Não dá pra ser feliz ignorando que o outro, não sou eu!

Sou eu, sim! Com os mesmos direitos, deveres e prazo de validade. Não sou filho único da vida! Por que, se assim fosse, um dia iria me perguntar:

Quem é essa que, agora, me assombra e se esgueira pelos cantos, querendo usurpar a minha alma? E, responderia:

- É a solidão! Triste companheira... Ausência que me faz perguntar:

- Afinal, a que se destina a vida?