Reconstruindo Caminhos

Reconstruindo Caminhos
Escrevo porque chove saudades no terreno das minhas lembranças e na escrita eu deságuo as minhas urgências, curo velhas feridas e engano o relógio das horas trazendo o passado para brincar de aqui e agora... Costumo dizer que no calçadão da minha memória há sempre uma saudade de prontidão à espreita de que a linguagem da emoção faça barulho dentro de mim e que, nessa hora, o sal das minhas lágrimas aumente o brilho do meu olhar e uma inquietação ponha em desalinho o baú de onde emergem as minhas lembranças, para que eu possa, finalmente, render-me à folha de papel em branco...

segunda-feira, 25 de janeiro de 2010

Fora do Ar






Um relógio parado, uma roupa que não cabe mais, um voo perdido que tento inutilmente alcançar, é assim que eu me sinto: fora do tempo! Caminho, hoje, por entre as ruas dentro de mim e só encontro o passado... É um museu de imagens, palavras e sons cheio de significados. Promessas de vida!

(...)

Lá fora, em meio ao burburinho que agita a cidade, a vida fervilha... Procuro placas indicativas do caminho para felicidade e não encontro.
Que tempo é esse que despreza a gratuidade dos bens não perecíveis: amor, carinho, ternura, compreensão e respeito? Que tempo é esse tão diferente do meu, aqui dentro? Acho que perdi a bússola, o guia, o norte, o rumo, a direção! Estou fora do ar, nesse presente, onde tudo é muito confuso, atropelado, incerto... Oba, oba... Descartável!

(...)

Olho para a época em que o tom das folhas é amarelado e um hiato em minha memória é permeado por odores de naftalina, e me convenço: estou à deriva no tempo. E isso, se deve muitos mais aos valores cultuados nessa vida apressada, em que até as palavras se tornam obsoletas, do que a adaptação que me é exigida por esse mundo moderno.

Por isso, volto para o meu estoque de saudades - museu de carne e vida - e deixo que o meu sorriso se prolongue enquanto o tempo desfila as suas lembranças... Estou fora do ar!

3 comentários:

manu disse...

Olá
Gostei de cruzar no seu caminho, de ler o que vai aqui deixando com uma sensibilidade apurada, alguma nostalgia, saudade e uma expressão de sentimentos que não me deixou indiferente.
Gostei de visitar você.
Prometo voltar
Beijos
Manu

RETIRO do ÉDEN disse...

Vim atrás da "Flor de Liz"

Lindíssimo texto.Puro em comunicar os sentires dos sentimentos, que por vezes nos encontramos desfazados deste dia a dia...
Assino por baixo na íntegra.
Bjs.sinceros
Mer

Libel disse...

Hei..não fiques fora do ar por muito tempo, agora que vim buscar inspiração aqui no teu cantinho, nãp me deixes ficar mal...ahhaha..(brincadeira), vim directo do blog do Entremares, conhecer esse Blog inspirador, gostei muito do que li, o tempo é sempre aquela coisa que nos deixa a falar sózinhas, mas como a paciência e tolerância fazem parte da inspiração...tenho a certeza que vamos ter todo o tempo do mundo para nos conhecermos melhor não achas??

Beijinhos
Libel