Reconstruindo Caminhos

Reconstruindo Caminhos
Escrevo porque chove saudades no terreno das minhas lembranças e na escrita eu deságuo as minhas urgências, curo velhas feridas e engano o relógio das horas trazendo o passado para brincar de aqui e agora... Costumo dizer que no calçadão da minha memória há sempre uma saudade de prontidão à espreita de que a linguagem da emoção faça barulho dentro de mim e que, nessa hora, o sal das minhas lágrimas aumente o brilho do meu olhar e uma inquietação ponha em desalinho o baú de onde emergem as minhas lembranças, para que eu possa, finalmente, render-me à folha de papel em branco...

sábado, 28 de maio de 2011

Pelas Janelas da Alma



Os olhos da minha memória estão sempre voltados para o passado. Confesso! Mas, eu caminho em direção ao futuro. A questão é que eles procuram por terra firme e a única opção que lhes acenam é o terreno escorregadio da efemeridade.
O transitório causa-me assombro, pois, atualmente, já não é possível perceber a diferença entre o certo e o errado, entre o bem e o mal nessa avalanche de mudanças e incertezas que nos deixam atônitos a todo o momento.
Hoje, ao pescar o tempo no baú das minhas lembranças, lembro-me de uma frase importante: “sofrer sem aprender com isso é uma estupidez total”. Então, viajo pelas janelas do meu olhar tentando captar o sentido da época em que vivemos.
A eternidade parece ameaçar-nos! Sofremos sem aprender com isso porque duvidamos dela e, nessa hora, tudo passa a ser descartável, desfrutável, sem importância; passageiro. E, além disso, ainda subjugamos as nossas vidas ao mundo material; só tem valor aquilo que podemos pagar em moeda corrente: casas, carros, hotéis de luxo, viagens, roupas de grife e as festas que oferecemos para preencher o vazio existencial.
Penso, agora, que colocamos um mundo novo dentro de nós, mas nada aprendemos sobre amor, generosidade, gratidão, tolerância, compaixão e sabedoria... Vida! Por isso, enquanto as janelas do meu olhar observam os meus passos ainda lentos no caminho da modernidade, procuro estar atenta para abraçar o novo, mas sem perder de vista a lucidez que me mantém afastada da visão materialista e da linguagem dos sentimentos sem profundidade que imperam nos dias atuais.


3 comentários:

AC disse...

Excelente, Juliêta!
A lucidez tem sempre um preço, como sabe.

Beijo :)

Rolando Palma disse...

O novo... versus "o velho". O desconhecido... ou o seguro. Nem sempre o desconhecido é o certo, nem sempre o seguro é o errado. Penso sempre ( exemplo tonto ) naquele segundo em que celebramos um aniversário... em que n se transforma em n+1... e em que não sentimos nada, nada de diferente, senão a passagem de um ínfimo segundo.
Acredito amiga... que por inércia, temos medo do desconhecido, refugiamo-nos no passado. Damos passos para a frente - é certo - mas sempre de ouvidos alerta, receando escolher a estrada errada. E afinal, todas as estradas novas têm uma mesma característica: Não há placas, não há sinais, não há mapas. Se houvesse, já seriam elas mesmas passado.

Então - pergunto eu - para onde seguir?

Citando um verso de uma musica que aqui surgiu nos tempos da revolução, eu diria. " NÃO SEI POR ONDE VOU. SÓ SEI QUE NÃO VOU POR AÍ."

Tantas e tantas formas de "reconstruir caminhos", não é?


Beijos,

Anônimo disse...

As janelas do olhar nem sempre nos mostram o que gostarímos de ver, contudo e no meio da profusão de banalidades de palavras ditas sem sentido, de gargalhadas e risos de conveniência, talvez haja um vislumbre de oportunidade de ver o que está para além de e reconstruir um novo caminho,já que passa a existir mais facilidades de escolha.
Há sempre na multidão alguém que faz a diferença, basta estar atenta.

Beijos enorme
Manu