Reconstruindo Caminhos

Reconstruindo Caminhos
Escrevo porque chove saudades no terreno das minhas lembranças e na escrita eu deságuo as minhas urgências, curo velhas feridas e engano o relógio das horas trazendo o passado para brincar de aqui e agora... Costumo dizer que no calçadão da minha memória há sempre uma saudade de prontidão à espreita de que a linguagem da emoção faça barulho dentro de mim e que, nessa hora, o sal das minhas lágrimas aumente o brilho do meu olhar e uma inquietação ponha em desalinho o baú de onde emergem as minhas lembranças, para que eu possa, finalmente, render-me à folha de papel em branco...

quarta-feira, 14 de outubro de 2009

Sistema de Cotas - A Cor do Brasil






O sistema de cotas para negros, nas universidades públicas brasileiras, nos coloca diante da realidade de um fato que há muito tentamos maquiar dando-lhe a feição de jeitinho brasileiro, ou seja, jogando para debaixo do tapete ou para escanteio, uma discussão que não nos obrigue a olhar de frente para o que evitamos assumir: somos uma nação racista e elitista e, por conseguinte, temos um sistema de educação excludente.

Defendemos a política de cotas porque é mais fácil do que reparar décadas e décadas de omissão, em relação aos direitos das minorias. Fingimos que não temos preconceito de raça e ignoramos a desigualdade social, presente também nas salas de aula, e assim vamos protelando “ad infinitum” as soluções que minimizem a distância entre brancos ricos, brancos pobres e negros de terem acesso à educação e à cultura em igualdade de condições. Proferimos, solenemente, um discurso a cada ano de eleição em favor dessas minorias e esquecemos de pô-lo em prática, tornando-o vazio e inaplicável. Por isso, para aliviar a nossa consciência e responder ao clamor dos excluídos, criamos um sistema de cotas e com esse ardil vamos adiando os investimentos necessários à educação de base, protelando ainda mais o sonho dos que esperam por uma justiça social que nunca chega, e obrigando-os a contentar-se com as sobras de um banquete para o qual nunca são convidados, apesar de habitarem a mesma casa.

Se pararmos para analisar a questão das cotas, veremos que, além de ser um fator de segregação, ela em nada contribui para que o aluno se integre ao ambiente acadêmico, uma vez que a própria exclusão já o diferencia e marginaliza, humilhando-o em sua dignidade. Ao ingressar na universidade pela política de cotas, o ser humano sente-se estigmatizado – aquele ali é cotista! – e aviltado em sua cidadania. Cobram-lhe esforço e dedicação dobrados pela oportunidade oferecida, e ainda são olhados de soslaio pelos seus pares numa clara alusão à sua condição social e a cor da sua pele.

Precisamos mudar isso e o movimento pela inserção de negros, na universidade, tem que continuar lutando por uma justiça social que abranja o direito que lhe outorga a carta magna desse país; de que todos são iguais perante a lei. E em sendo assim, que lhes devolvam a cidadania e o respeito, em igualdade de condições: verde, amarelo, azul e branco. A nossa cor... Brasil!

Um comentário:

Andreia disse...

Nossa Juliêta que texto sublime!
Sou contra o sistema de cotas também, é um desrespeito para com o cidadão.
Estas pessoas são discriminadas desde o momento em que se diz a palavra cotista, elas tem que ter os mesmos direitos que nós. Não se julga a inteligência e o direito de ninguém e muito menos pela cor da sua pele.
Nosso país é uma vergonha, somente a elite tem vez, os menos favorecidos que se danem, usam a cor da nossa pele e nossa classe social como desculpa para se darem bem e ainda tentam se fazer de bonzinhos criando cotas, tentando convencer talves a si próprios de que estão fazendo uma boa ação.
Tentam nos passar atestado de idiotas todos os dias, nós temos que vestir nossa camisa verde, amarela, azul e branca e gritar a todos pulmões que somos brasileiros, falamos a mesma língua e independente da cor de nossa pele temos os mesmos direitos, assim como os deveres de reivindicar e exercer nossa cidadania e isto inclui estarmos em pé de igualdade para frequentarmos as mesmas escolas e universidades é isto ai minha amiga não podemos ficar de braços cruzados enquanto somos desrespeitados, roubados e enganados pelo sistema, temos que dar um basta.
Doce beijo para ti querida e parabéns por este texto maravilhoso...