Reconstruindo Caminhos

Reconstruindo Caminhos
Escrevo porque chove saudades no terreno das minhas lembranças e na escrita eu deságuo as minhas urgências, curo velhas feridas e engano o relógio das horas trazendo o passado para brincar de aqui e agora... Costumo dizer que no calçadão da minha memória há sempre uma saudade de prontidão à espreita de que a linguagem da emoção faça barulho dentro de mim e que, nessa hora, o sal das minhas lágrimas aumente o brilho do meu olhar e uma inquietação ponha em desalinho o baú de onde emergem as minhas lembranças, para que eu possa, finalmente, render-me à folha de papel em branco...

quarta-feira, 27 de outubro de 2010

Um Tempo para Sentir


A escritora Martha Medeiros nos diz: “Há tanta coisa pra fazer que resta pouco tempo pra sentir.” Pois bem! Neste tempo de tecnologia avançada, onde tudo vira passado num piscar de olhos, eu quero a minha vida de volta para sentir o que já não sinto e viver o que já não vivo... Vida!

Quero um tempo para saborear a fruta no pé
e algumas horas para descansar à sombra da goiabeira.
Quero um tempo para tardes de sol
e vento no rosto a desalinhar os meus cabelos.

Quero um tempo para sentir o cheiro da grama molhada
e para banhar-me nas lágrimas do céu.
Quero um tempo para observar o jardim cheio de flores
e as borboletas em seus volteios a sugerir-me o prazer da liberdade.

Quero um tempo para abraçar o flamboaiã amigo
e nele armar um balanço para retirar das nuvens
o algodão doce das minhas fantasias.

Quero um tempo de portas e janelas abertas,
para acolher o amigo que se aproxima.
E, de quebra, uma lareira acesa
para, em tardes mornas fazer carinhos e exercitar ternuras...

Quero um tempo para amar...
Voltar a sorrir sem medo de ser feliz!
Quero, enfim, um tempo para sentir!

Quero um tempo para sentir, pois estamos vivendo num frenesi, cujo único objetivo é conjugar o verbo fazer, em todos os seus tempos. Parece que isso é a única coisa relevante a fazer em nossas vidas.
Em virtude disso, olhamos para o nosso semelhante com distanciamento; e como diz Jean Paul Sartre: “O inferno são os outros.” E a partir daí, nos afastamos dos nossos afetos, das nossas lembranças do que era ser feliz e, principalmente, do SENTIR, dom singular, incomparável, que é o que nos torna verdadeiramente humanos.


PS: Esse texto é uma homenagem ao blog: “Flor de Lis,” que faz da arte de viver um eterno SENTIR.

sábado, 16 de outubro de 2010

Enquadrar-se






Escreva em 20 ou até 25 linhas sobre o tema: enquadrar-se. Essa é a proposta do professor de redação em sala de aula.

De imediato, reflito: não consigo, pois o que penso e o que sou é a antítese do que ele me pede. Não me enquadro nem nas linhas, nem no tema. Pra falar a verdade, eu me desenquadro no geral...

Vivo à margem de qualquer conceituação do que seja moderno, principalmente, se isso faz referência ao amor. Este sentimento que hoje é colocado nos balcões da vida como mercadoria e que compra quem tem mais dinheiro, status ou poder.

Para enquadrar-me nos moldes atuais, eu teria que abrir mão da minha individualidade... Desconstruir-me. Negar a matéria dos meus sonhos e esse amor tão antigo, que aprendi a amar, amando.

Tudo o que sei sobre esse sentimento é inegociável, sobretudo, porque a moeda pelo qual ele foi adquirido saiu de circulação. Paguei por ele o preço da admiração, do respeito, da compreensão, da tolerância e do perdão. Sentimentos e palavras em desuso, mas que humanizam e que na realidade estamos sempre a cobrar do outro como se fôssemos perfeitos.

Para enquadrar-me eu teria que abrir mão ainda de detalhes que enriquecem as minhas histórias de amor e que guardo nas gavetas da memória como jóias raras... Para alguns são miudezas, bugigangas e quinquilharias que nada acrescentam, mas para mim são como brilhantes que reluzem e dos quais eu não abro mão, nem os trocaria por todo dinheiro do mundo.

São bens e atitudes de valores inestimáveis, entre outros: uma pequena flor colhida no mato, um conjunto de ferramentas para cuidar do jardim, uma tesoura para cortar o frango e uma pequena caneca para tomar café. Presentes que me foram dados por pessoas que cumpriram à risca o manual do bom amor: aquele que se importa com o outro, que sente a necessidade e se antecipa e, principalmente, aquele que se dispõe a gastar o seu tempo, para acender uma fogueira e ouvir a pessoa amada até a queima do último carvão.

Alguns dirão: - Que simplório! Quanto romantismo fora de época!

Ao que eu respondo: - é por isso que eu não me enquadro! Nem nas linhas, nem no tema. Sou adepta dos valores, das atitudes e dos amores antigos... Anacrônicos. E, além disso, já deixei por escrito que ao morrer, quero ser cremada e que as minhas cinzas sejam espalhadas por todos os lugares: calçadas, ruas e praças por onde andei de mãos dadas com os amores da minha vida. Lugares que contam um pouco da minha história. Uma história que venceu o tempo e que tem um sentimento com gosto de eternidade.

Por tudo isso, decididamente, eu não me enquadro nesse pós-modernismo que a tudo comercializa até mesmo o amor, transformando sentimentos, valores e pessoas em marionetes a serviço da propaganda, do consumo e da vaidade exacerbadas.

Sou uma moldura antiga... Uma peça que se desenquadra em 61 linhas e que está fora de uso... Démodé!